Brasil e Alemanha lançam chamada conjunta de Bioeconomia em pesquisa e desenvolvimento no Green Rio Online

Anúncio aconteceu durante a primeira etapa do Green Rio online 2020. Entre os dias 24 a 26 de outubro acontecem o desafio de inovação fechando a edição deste ano

Cinquenta e dois palestrantes brasileiros e internacionais se revezaram virtualmente nos dia 8 e 9 de outubro para falar sobre um único tema: bioeconomia. O palco do encontro foi o Green Rio online, um dos mais importantes eventos sobre bioeconomia no Brasil, que pela primeira vez aconteceu no formato digital. Entre as novidades apresentadas, os governos do Brasil e da Alemanha, anunciaram a chamada conjunta de Bioeconomia 2020, que vai contemplar duas linhas de pesquisa: uso industrial da biomassa e plantas medicinais e aromáticas.

A chamada pública Brasil-Alemanha concretiza a cooperação entre os dois países na área da Bioeconomia. A expectativa é que os projetos já aconteçam no final de 2021 ou início de 2022. Para isso, foi anunciado um financiamento de R$ 4,650 milhões pelo governo brasileiro e € 2 milhões pelo governo alemão. As propostas serão aceitas até o dia 19 de março 2021. A Cooperação é conduzida pelo Mapa, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC), o Ministério Federal Alemão de Alimentação e Agricultura (BMEL) e o Ministério Federal das Finanças (BMF).

Além da apresentação da chamada conjunta, os participantes ainda puderam assistir no primeiro dia de evento a palestras com temas como ‘Estudo da arte e benefícios da cooperação’, ‘Plantas Medicinais e Aromáticas’, ‘Saúde do Solo’, ‘Cadeia de cosméticos e Objetivos do Desenvolvimento’ e ‘Desenvolvimento Regional e Bioeconomia’.

Durante os painéis, foram apresentadas iniciativas que vêm dando certo em várias partes do Brasil e também do mundo, como a polinização por insetos com foco no cultivo dos campos. Algo relativamente novo na Alemanha, e que, de acordo com o pesquisador alemão Frank Marthe, poderia ser adaptado ao Brasil. O sul do país também está com um projeto que vem ganhando bastante visibilidade, apesar de ter iniciado há menos de um ano. Trata-se do uso de óleos essenciais e derivados para o fomento da cadeia produtiva baseada no cultivo, extração e transformação desses produtos. O público ainda pôde conhecer o programa Adote uma Nascente, da Prefeitura de Itu; o Conservathon, um hackathon voltado para preservação da Amazônia, desenvolvido pela Fundação Araucária, e o programa Cadeias Produtivas da Bioeconomia, do Governo Federal, que visa a fomentar a pesquisa científica, o desenvolvimento tecnológico e a inovação, que fortalecem ainda mais e promovem as cadeias produtivas da biodiversidade brasileira.

Entre as conferências do dia 9, outra parceria internacional foi celebrada, a do Sesc/Mesa Brasil e Food Nation, uma iniciativa do governo da Dinamarca, que promove segurança alimentar em todos os elos da cadeia, reconhecida por sua inovação e compromisso com sustentabilidade, apresentada durante o painel “Segurança Alimentar e Saúde Planetária – Custos Sociais e Ambientais do Desperdício de Alimentos‘. Entre as palestrantes tiveram a diretora do SESC RIO, Regina Pinho, e a gestora do Programa Food Nation, Lise Walbom , em que apresentaram seus respectivos programas e os possíveis projetos conjuntos que poderão ser desenvolvidos. Nesse dia, também houve o lançamento do desafio para agricultores, explorando possibilidades de conexão entre bioeconomia e agricultura familiar com soluções para pequenos e médios produtores.

 

Um dos painéis mais aguardados do segundo dia, ‘Amazônia e a Bioeconomia da Floresta em Pé’, destacou a importância da implantação da Rainforest Social Business School, que será implantado pela Universidade do Estado do Amazonas, entre outros projetos, que ajudarão às pessoas a agregar valores aos produtos e às cadeias produtivas da região Amazônica. Participaram dele Maritta Koch-Weser (Rainforest Business School), o cientista Carlos Nobre (Amazônia 4.0), o reitor Cleinaldo Costa (UEA), Thomas Baldauf (BMEL) e Marcelo Bortolini (FINEP).

“A realização do Green Rio Online tem um significado especial pois é uma atestado de que não desistimos de realizar este encontro anual por conta da pandemia, reunindo 52 palestrantes do Brasil e do exterior, e promovemos o lançamento do segundo edital de Bioeconomia Brasil-Alemanha mostrando a confiança nas renovação de parcerias” afirma Maria Beatriz Costa, organizadora do Green Rio online.

Para fechar o Green Rio online, será realizado o desafio de inovação, de 24 a 26 de outubro, em parceria com o Sebrae. A iniciativa funcionará como uma maratona online, buscando soluções para a cadeia produtiva da bioeconomia e do pequeno produtor rural, através de temas como inovação em produtos florestais, irrigação e planejamento de produção.

Sobre o Green Rio
O Green Rio teve sua primeira edição em 2012, quando foi um side-event da Rio+20. Ao longo desses oito anos, o evento se firmou como plataforma de negócios sustentáveis que reúne expositores, palestrantes e representantes da economia verde e do setor orgânico. Em rodadas de negócios, o Green Rio já movimentou até hoje mais de R$ 8 milhões.


 


 

Compartilhamento da página